(R)evolução da Cantada [Povão]

3 05 2008

DÉCADA DE 40

Ele, de terno cinza e chapéu panamá, em frente à vila onde ela mora, canta:
“Tu és, divina e graciosa, estátua majestosa!
Do amor por Deus esculturada.
És formada com o ardor da alma da mais linda flor, de mais ativo olor, que na vida é a preferida pelo beija-flor…”

DÉCADA DE 50

Ele ajeita seu relógio Pateck Philip na algibeira, escreve para a Rádio Nacional e manda oferecer a ela uma linda música:
“A deusa da minha rua, tem os olhos onde a lua, costuma se embriagar.
Nos seus olhos eu suponho, que o sol num dourado sonho, vai claridade buscar…”

INÍCIO DA DÉCADA DE 60

Ele pede ao cantor da boate que ofereça a ela a interpretação de uma bela canção da Bossa Nova:
“Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça.
É ela a menina que vem e que passa, no doce balanço a caminho do mar.
Moça do corpo dourado, do sol de Ipanema.
O teu balançado é mais que um poema.
É a coisa mais linda que eu já vi passar.”

ANOS FINAIS DA DÉCADA DE 60

Ele aparece na casa dela, em seu DKW/Vemag ou Gordini, com um compacto simples embaixo do braço, ajeita a calça Lee e coloca na vitrola uma música papo-firme:
“Nem mesmo o céu, nem as estrelas, nem mesmo o mar e o infinito não é maior que o meu amor, nem mais bonito.
Me desespero a procurar alguma forma de lhe falar, como é grande o meu amor por você…”

DÉCADA DE 70

Ele chega em seu fusca tala larga, sacode o cabelão, abre a porta pra mina entrar e bota uma melô jóia no toca-fitas:
“Foi assim, como ver o mar, a primeira vez que os meus olhos se viram no teu olhar….
Quando eu mergulhei no azul do mar, sabia que era amor e vinha pra ficar…”

DÉCADA DE 80

Ele telefona pra ela e deixa rolar um:
“Fonte de mel, nos olhos de gueixa, Kabuki, máscara.
Choque entre o azul e o cacho de acácias, luz das acácias, você é mãe do sol. Linda, mais que demais…”

DÉCADA DE 90

Ele liga pra ela e deixa gravada uma música na secretária-eletrônica:
“Bem que se quis, depois de tudo ainda ser feliz.
Mas já não há caminhos pra voltar.
E o que é que a vida fez da nossa vida?
O que é que a gente não faz por amor?”

EM 2001

Ele captura na Internet um batidão legal e manda pra ela, por e-mail
“Tchutchuca!
Vem aqui com o teu Tigrão.
Vou te jogar na cama e te dar muita pressão!
Eu vou passar cerol na mão, vou sim, vou sim!
Eu vou te cortar na mão!
Vou sim, vou sim!
Vou aparar pela rabiola!
Vou sim, vou sim!”

EM 2002

Ele pára a caranga rebaixada e rodas aro 18, no mais alto volume, solta o som:
“Abre as pernas, faz beicinho, vou morder o seu grelinho….
Vai Serginho, vai Serginho….
Vem minina, num si ispanta, vô gozá na tua garganta…”

ONDE FOI QUE NÓS ERRAMOS? SERÁ QUE AINDA É POSSÍVEL PIORAR?

É CLARO QUE SIM!!!!…

“Hoje é festa, lá no meu apê, pode aparecê, vai rolá bunda-lelê.!!!”

Fonte: Triplo Sentido

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: